No Deserto



Após o batismo de Jesus no Jordão, Ele foi levado pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo. Quando saiu da água, inclinou-Se nas barrancas do Jordão e suplicou ao grande Eterno, forças para suportar o conflito com o adversário caído. A abertura dos Céus e a descida da excelente glória atestava Seu caráter divino. A voz do Pai declarava o relacionamento achegado de Cristo com Sua infinita Majestade: “Este é o Meu Filho amado, em quem Me comprazo” (Mateus 3:17). A missão de Cristo começaria logo. Mas Ele deveria primeiro retirar-Se das cenas movimentadas da vida para um solitário deserto, a fim de expressar o propósito de suportar o tríplice teste da tentação em favor daqueles a quem veio redimir.
Satanás, que tinha sido um honrado anjo no Céu, ambicionava honras mais exaltadas do que as que Deus dera a Seu Filho. Ele se tornou ciumento de Cristo, e afirmou aos anjos, que o honraram como querubim cobridor, que não lhe era conferida a honra que sua posição demandava. Afirmava que deveria ser exaltado com a mesma honra de Cristo. Satanás obteve simpatizantes. Anjos no Céu ajuntaram-se a ele em sua rebelião e caíram, com seu líder, da mais alta e santa posição e foram, consequentemente, expulsos do Céu juntamente com ele.

No Deserto da Tentação, de Ellen White.
Capítulo 1  – Págs. 11-12 – 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desbravadores: Livro de Atas

Adélia Prado – Poemas

desbravadores