poema

Primeiro Motivo da Rosa





Vejo-te em seda e nácar,
e tão de orvalho trêmula, que penso ver, efêmera,
toda a Beleza em lágrimas
por ser bela e ser frágil.
Meus olhos te ofereço:
espelho para face
que terás, no meu verso,
quando, depois que passes,
jamais ninguém te esqueça.
Então, de seda e nácar,
toda de orvalho trêmula, serás eterna. E efêmero
o rosto meu, nas lágrimas
do teu orvalho… E frágil.


Cecília Meirelles

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desbravadores: Livro de Atas

Adélia Prado – Poemas

desbravadores